01/03/2008

março 01, 2008
14



Havia uma beleza naqueles olhos,
naqueles olhos banhados
de revolta romântica
contra a impossibilidade
de vencer o mundo;

Havia um sonho em seu rosto
que, somado a tudo,
fazia dela
o melhor sorriso
naquela noite;

Havia uma vontade
de não ser ninguém,
se não ela, ali,
deslizando sobre a cadeira,
falando suave com as mãos,
ante as minhas,
que nada conseguiam dizer.

Mas ouvi-la,
ouvi-la justificava qualquer silêncio.

E longe d’ali,
lá fora,
tudo contribuía com ela:
a noite quieta,
a lua espiando escondida,
as pessoas invisíveis a passar,
teimando em tentar existir;

enquanto,
frente a tudo,
diante seu rosto,
eu não sabia
o que a fazia mais bonita:
o simples fato de existir,
ou o simples fato de
fazer o resto do mundo não existir.




In: LIAL, William. O Mundo de Vidro. Fortaleza: Imprece, 2005.
Imagem: Damian Klaczkiewicz. A lonely nocturn.

14 comentários :

  1. Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Webcam, I hope you enjoy. The address is http://webcam-brasil.blogspot.com. A hug.

    ResponderExcluir
  2. de aquariano para aquariano
    manet e você
    dois por 1
    23 com 02
    a poesia encaixada na pintura.

    se ele estivesse vivo, apertaria a sua mão.

    michelle luna.

    ResponderExcluir
  3. Fico a pensar se ele apertaria nossas mãos e conversaríamos por horas sobre o difícil cargo aquariano de ser.
    Não gosto muito de elogiar, talvez por isso que o tenha feito um tanto quanto maquiado. Normalmente se faz um elogio a espera de que se receba o mesmo em troca, ou como forma de bajulamento, mas nem sempre como percepção de um verdadeiro dom.
    Enquanto aos meus ..fico pensando.. não são poesias ao certo, as chamo de o que penso e repenso a todo instante, creio que muitos deles estejam aqui, não sei se você percorreu os arquivos, alguns estão incompletos de fato, e normalmente coloco apenas o que sinto que foi mais verdadeiro enquanto escrevo.
    Outros eu já perdi, ou estão em cadernos, papéis um tanto quanto desorganizados, uma desorganização organizada assim penso.
    agradeço o elogio nem tão disfarçado, e que em breve espero resgatar do esconderijo para que tu possa ler.

    eu gostaria de adorar mais, talvez deixando de lado uma auto crítica muito forte do que escrevo e se ele realmente diz algo.
    Escrever por escrever é fácil todos temos mãos e dedos.
    é a alma que as vezes falta.

    aquele" que passeava em si próprio/ pertence agora a outro morador (...)

    é o que penso do amor natural e altruísta.



    beijo sincero

    Michelle Luna.

    ResponderExcluir
  4. Se tiveres tempo de sobra, assiste across the universe nos cinemas.

    Espero poder conversar sobre a única coisa que salvou o filme:
    os beatles e algumas canções(porque algumas novas versões fizeram o john lennon e os outros se remexerem na tumba de tanta tristeza.

    ResponderExcluir
  5. Normalmente se faz um elogio a espera de que se receba o mesmo em troca, ou como forma de adulação.


    não existe bajulamento, está errado, reli e percebi isso.

    ResponderExcluir
  6. eu não me fiz clara no que disse William.

    desculpa, não estou falando nem do teu elogio e nem dou meu elogio para sua pessoa. pelo contrário permaneço com os elogios, uma vez dito dificilmente volto atrás.

    o que eu quis dizer foi:

    eu empreguei a frase errada, falando em termos de gramática.
    reli a frase e acho que a palavra bajulamento está errada no contexto do texto , entende?


    abraço.

    ResponderExcluir
  7. "Normalmente se faz um elogio a espera de que se receba o mesmo em troca, ou como forma de bajulamento, mas nem sempre como percepção de um verdadeiro dom."

    aqui nessa parte eu me referi como uma pessoa que faz elogios quando eles devem ser feitos, mas o que tentei passar é que algumas pessoas elogiam para serem elogiadas. e esse não é meu caso.

    beijo.

    ResponderExcluir
  8. OLá William.
    Cheguei até você através do portal Cronópios, onde li seu artigo.
    Gostei muito da sua poesia, da maneira como a sente e a vive... intenso!
    Aproveito para convida-lo:
    http://andreplez.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Olá, estou aqui para convidá-lo a conhecer a LITERATURA CLANDESTINA:
    http://literaturaclandestina.blogspot.com/
    Conto com a sua presença por lá . Um abraço Elenilson

    ResponderExcluir
  10. De longe....o meu favorito!!

    ResponderExcluir
  11. Fernanda,

    Que bom que gosta. Já sonhou com a cena?

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  12. Oi Lial,

    O hipnotismo do apaixonado é deliacadamente descrito, gostei dos detalhes todos, e da fluidez, deliciosa.

    Gosto de fazer parte do coro das suas fãs, mesmo que minha voz de terceira idade destoe um pouco, rs.

    Beijos afetuosos! E agora vou retornar ao trabalho que minhas férias terminaram, até qualquer dia, poeta talentoso!

    Cybèle


    ResponderExcluir
  13. Obrigado, Cybèle.

    Espero que ainda tenha tempo para vir por aqui.

    Um beijo carinhoso!

    ResponderExcluir

Voltar ao topo